21 C
Americana
sábado, abril 17, 2021

UTI de covid: 29,7% morrem em hospitais privados; 52,9% nos públicos, aponta projeto

portalpanoramahttp://portalpanorama.com
Tudo o que você precisa ler, ver e ter. Acesse e fique bem informado sobre os últimos acontecimentos e fatos de Santa Bárbara, Americana e região.

Dados do projeto UTIs brasileiras mostram que 29,7% dos pacientes morrem depois de ter covid nas UTIs de hospitais privados. A proporção de mortes é maior na rede pública: 52,9%. Isso é 23,2 pontos percentuais (ou 78%) mais do que nos particulares.

Os dados são de uma amostra de 652 hospitais (403 privados e 249 públicos) do projeto, que monitora 25% das UTIs brasileiras. As informações são compiladas pela Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) para servir de benchmark a gestores de saúde.

No caso dos intubados, são 72,4% as mortes na rede pública e 63,6% as que ocorrem nas particulares. Portanto há 8,8 pontos percentuais mais mortes desses pacientes em situação mais grave nos hospitais analisados.

As internações também são mais demoradas na rede pública do que na particular. Ficam internados durante mais de 7 dias 54,2% os pacientes nas unidades de saúde dos governos. Nos hospitais privados, são 48,6%.

As unidades de saúde monitoradas pelo projeto estão em situação melhor que a média do Brasil. Isso explica a proporção de intubados que morreram nesses hospitais ser inferior aos mais de 80% que morreram em todo o Brasil.

Mesmo em se tratando de hospitais com melhores condições de trabalho, os novos dados permitem jogar luz às diferenças entre a rede privada de saúde e a rede pública. Os pacientes de hospitais públicos tiveram 78% mais mortes ao serem internados em UTI.

As razões para isso são muitas. A principal é o fato de que os doentes chegam aos hospitais públicos em condições piores. Entre os internados da rede privada, 39,4% dos pacientes requerem intubação. No caso da rede pública, são 63,2%. “São pacientes [os que chegam às UTIs rede pública] que já vêm de um histórico pior, de condições para cuidar da saúde e de tratamento pior”, diz Ederlon Rezende, coordenador do projeto UTIs Brasileiras.

Não há motivo, porém, para alívio dos mais ricos. “Num momento em que o sistema está colapsado, como agora, mesmo as UTIs mais organizadas perdem a qualidade de atendimento. Já conseguimos enxergar isso em dados preliminares: as mortes aumentam para todos“, afirma Rezende, que também é membro do conselho consultivo da Amib.

Novo perfil etário

O levantamento da Amib permitiu também jogar luz sobre a mudança no perfil de internados desde o início da pandemia. Os mais jovens vêm ocupando mais leitos de hospitais. Os pacientes até 45 anos eram 18% do total de setembro a novembro de 2020. Passaram a 20% no período do início de fevereiro a 26 de março de 2021. Os pacientes acima de 80 anos caíram de 13,4% do total no período anterior para 9,7% na etapa mais recente.

No caso das mortes, o aumento foi bem mais forte. Os pacientes abaixo de 45 anos representavam 13,1% do total no 1º período. Passaram a 38,5% no 2º. A alta foi de 193%.

Metodologia

As informações são de uma amostra de 652 hospitais (403 privados e 249 públicos) inscritos no projeto UTIs Brasileiras do Sistema Epimed Monitor. A iniciativa tem dados para 20.865 leitos de UTI de todas as regiões do país, e serve de termômetro e padrão de comparação a médicos da área. O período de coleta das informações é de 1º de março de 2020 a 24 de março de 2021.

O Projeto

A AMIB e a Epimed Solutions se uniram para a criação do Registro Nacional de Terapia Intensiva.
O projeto chamado UTIs Brasileiras tem como objetivo caracterizar o perfil epidemiológico das UTIs brasileiras e compartilhar informações que possam ser úteis para orientar políticas de saúde e estratégias para melhorar o cuidado dos pacientes críticos no Brasil.
Além disso, o projeto visa estimular o uso de indicadores de qualidade e desempenho na gestão das UTIs brasileiras adulto e pediátricas e, com isso, melhorar a qualidade da medicina intensiva e aumentar a segurança dos pacientes no Brasil.
Iniciativas semelhantes em outros países, tais como Reino Unido (ICNARC), Austrália e Nova Zelândia (ANZICS-CORE), mostram-se essenciais para a melhoria da qualidade e segurança de pacientes críticos e são hoje uma importante base para projetos que têm como objetivo a melhoria da eficiência das UTIs e o desenvolvimento de pesquisa clínica de alto nível.

- Publicidade -

Mais artigos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Publicidade

Veja também