25.6 C
Americana
quinta-feira, setembro 23, 2021

Variante britânica do novo Coronavírus tem mortalidade mais alta, diz estudo

portalpanoramahttp://portalpanorama.com
Tudo o que você precisa ler, ver e ter. Acesse e fique bem informado sobre os últimos acontecimentos e fatos de Santa Bárbara, Americana e região.

B.1.1.7 foi detectada no Reino Unido em setembro de 2020, e desde então já foi encontrada em mais de 100 países. Ela tem 23 mutações em seu código genético e algumas a tornaram mais capaz de se disseminar.

A variante do novo coronavírus conhecida como B.1.1.7, descoberta no Reino Unido no final do ano passado, tem um risco maior de morte entre os infectados de 64% em média, de acordo com estudo publicado nesta quarta-feira (10) no periódico científico “The British Medical Journal”.

Na prática, o estudo indica que uma pessoa infectada pela variante do Reino Unido tem 64% mais chance de morrer do que se fosse infectada com linhagens anteriores do coronavírus.

O estudo aponta que o risco de morte pode ser ampliado entre 30% e 100% com a B.1.1.7 na comparação com linhagens anteriores do Sars-Cov-2, considerando o intervalo de confiança da pesquisa.

Os cientistas consideraram a comunidade em geral, e não apenas entre grupos específicos como pacientes idosos ou hospitalizados. Neste grupo ampliado, a possibilidade de mortes em média 64% maior representa um aumento nas mortes de 2,5 para 4,1 em cada 1 mil casos detectados.

A variante B.1.1.7 foi detectada no Reino Unido em setembro de 2020, e desde então já foi encontrada em mais de 100 países. Ela tem 23 mutações em seu código genético – um número relativamente alto de alterações –, e algumas destas a tornaram muito mais capaz de se disseminar.

Cientistas britânicos dizem que ela é entre 40% e 70% mais transmissível do que variantes do coronavírus em circulação que antes predominavam.

Amostra do estudo

No estudo britânico, infecções da nova variante causaram 227 mortes em uma amostragem de 54.906 pacientes de Covid-19 – em um número igual de pacientes infectados com outras variantes foram 141.

“Somado à sua capacidade de se disseminar rapidamente, isto torna a B.1.1.7 uma ameaça que deveria ser levada a sério”, disse Robert Challen, pesquisador da Universidade Exeter que coliderou a pesquisa.

Já Ellen Brooks-Pollock, também da Universidade de Bristol, considerou que foi uma “sorte” que a variante tenha surgido em uma área coberta por testes de genoma de rotina, o que permitiu que ela fosse identificada mais rapidamente pelas autoridades. “Futuras mutações podem surgir e se espalhar sem controle”, disse Ellen.

Por G1

- Publicidade -

Mais artigos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Publicidade

Veja também