10.8 C
Americana
terça-feira, maio 18, 2021

Jornalista de Americana é perseguida há 10 anos pelo ex-namorado e pede ajuda no Facebook

portalpanoramahttp://portalpanorama.com
Tudo o que você precisa ler, ver e ter. Acesse e fique bem informado sobre os últimos acontecimentos e fatos de Santa Bárbara, Americana e região.

Uma jornalista de 25 anos, moradora de Americana (SP), vem sendo ameaçada e perseguida pelo ex-namorado há 10 anos. Beatriz Alencar teve um relacionamento com Felipe Marinho Eberle na época da escola e, após o término do relacionamento, sua vida tornou-se um pesadelo. O caso veio a público por meio de uma publicação no Facebook feito pela jovem, onde ela revela toda situação que passa com o ex-namorado que está sendo procurado pela Justiça.

No último dia 19 de março, após anos lidando com o que ela contou ser uma verdadeira perseguição de terror psicológico feita por ele, a jovem resolveu publicar o relato do que tem passado em um post aberto em sua página do Facebook. “Há anos eu não uso redes sociais. Me privei de muita coisa e hoje cansei. Não quero saber o que as pessoas pensam sobre o que vou falar, mas preciso explanar isso pro mundo pra que eu possa viver sem tanta gente vindo me perguntar o porquê de eu estar entrando em contato com eles, de porque eu estar mandando fotos íntimas minhas a pessoas que nunca nem conversei”; diz o post. A jovem também já tem uma página na rede social “Justiça para Beatriz”, onde matérias e informações sobre o caso são publicadas constantemente.

O casal se conheceu por meio de um jogo on-line, na época a jovem tinha 16 anos e o indivíduo 24 anos, ou seja, ele era oito anos mais velho do que Beatriz quando se conheceram e começaram a namorar, pois moravam na mesma cidade.

O fim do relacionamento veio após oito meses de romance, Beatriz descobriu, sem querer, e-mails diários de Felipe para uma ex-namorada. Segundo ela, o rapaz tentava, insistentemente, fazer contato com a ex escrevendo mensagens “enormes”. Na época, a vítima não entendi muito bem o que isso significava e logo depois, Beatriz também descobriu páginas online que tinham o nome de Felipe e continham fotos íntimas de outras garotas.

O criminoso foi questionado pela garota e acabou confessando que divulgava esses materiais, mas prometeu que pararia. E por mais que estivesse abalada pelas descobertas, Beatriz conta que Felipe conseguiu convencê-la a também fazer fotos sem roupa e enviar para ele. “Quando ele pedia as imagens, eu tirava. E sempre que não estava afim, Felipe reclamava, dizia que como prova de que eu confiasse nele eu deveria fazer. Ele ia ditando como queria as fotos e eu fazia”, conta.

Depois do fim oficial do relacionamento, com Beatriz Alencar ainda no Ensino Médio, ela conta que diversas vezes o rapaz ia até sua casa, enquanto estava sozinha, e lá ficava esperando do lado de fora, no portão. Na única vez que conversaram pessoalmente após o rompimento, Felipe fez a primeira ameaça relacionada à divulgação das fotos íntimas que estavam em seu poder.

Durante o período da vítima na faculdade em Campinas (SP) ela recebia e-mails e mensagens do ex dizendo que ia imprimir minhas fotos e distribuir pela faculdade. Na sequência, pedia desculpas. Era uma oscilação mental enorme e isso continuou por anos.

A jovem o bloqueou em todas as redes sociais, trocou de e-mail e número de telefone, mas com essas atitudes o rapaz fez dezenas de perfis falsos que o rapaz criou para poder continuar obtendo informações sobre a vida dela. E, mais adiante, chegou finalmente a expor as imagens de Beatriz quando ela ainda era menor de idade. As fotos foram enviadas para pessoas de sua família, como um tio, por exemplo, além de amigos e até homens desconhecidos.

Inquérito policial

Existe um inquérito policial em andamento, em segredo de justiça, para apurar a prática do crime descrito pelo artigo 241-A do Estatuto da Criança e do Adolescente”, informa Paulo Sarmento, advogado de Beatriz Alencar, e que está cuidando do caso atualmente. “O inquérito se dá por conta do ex-namorado divulgar e reproduzir, por meios telemáticos, imagens de nudez de adolescente até os dias de hoje”, explica. Até agora, porém, a investigação está a passos lentos, já que o ex-namorado não consegue ser encontrado: “Não tenho qualquer tipo de contato com o Felipe ou advogado por ele constituído, até porque o mesmo ainda não foi encontrado pela polícia para ser ouvido”, reforça Paulo.

Efeitos das fotos divulgadas

A tensão de ter, a qualquer momento, a intimidade exposta e a tortura psicológica feita pelo ex-namorado tiveram enormes efeitos na vida de Beatriz Alencar. Ela sofre de crises de ansiedade, fobia social, já teve depressão e faz tratamento psiquiátrico há anos. Como jornalista, tem medo de conseguir algum trabalho, assinar com seu nome as matérias e, de repente, ser descoberta por Felipe ou acabar desmoralizada. Mas, após o último vazamento de suas fotos íntimas para pessoas bastante próximas, a jovem conta que decidiu sair do silêncio e expor toda a situação na internet.

A última publicação feita na página ‘Justiça para Beatriz’ indica que o stalker está residindo entre São Bernardo do Campo (SP) e Florianópolis (SC).

Acesse a página https://www.facebook.com/justicaparabeatriz/

Por Revista Marie Claire

- Publicidade -

Mais artigos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Publicidade

Veja também