28 C
Americana
domingo, setembro 26, 2021

Piracicaba ganha releitura inédita de Hino no aniversário de 254 anos

portalpanoramahttp://portalpanorama.com
Tudo o que você precisa ler, ver e ter. Acesse e fique bem informado sobre os últimos acontecimentos e fatos de Santa Bárbara, Americana e região.

Criado na década de 1930, o “Hino de Piracicaba” (cujos versos são conhecidos nacionalmente) ganha uma releitura inédita, sob execução da OSP (Orquestra Sinfônica de Piracicaba), na voz da cantora Aninha Barros e regência do maestro Jamil Maluf, diretor artístico e regente titular do conjunto musical. A homenagem é da Câmara Municipal de Piracicaba e Prefeitura do Município de Piracicaba pelo aniversário de 254 anos da cidade, celebrado em 1º de agosto.

O lançamento da versão orquestral acontece em 31 de julho, às 20h, de forma simultânea, no Facebook, Instagram e YouTube da Orquestra, da cantora Aninha Barros e também da Câmara Municipal de Piracicaba, Prefeitura do Município de Piracicaba e Semac (Secretaria Municipal da Ação Cultural), as duas últimas realizadoras da Temporada 2021 da OSP, que têm o patrocínio prata da Caterpillar e o patrocínio bronze da Comgás.

A produção audiovisual do Departamento de Comunicação Social da Câmara traz oito instrumentistas da OSP tocando o “Hino de Piracicaba” em cartões-postais piracicabanos, como a Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), o Parque da Rua do Porto, a avenida Cruzeiro do Sul, o Largo dos Pescadores e o Memorial Prudente de Moraes, na Câmara Municipal de Piracicaba. Além disso, foram incluídas imagens intercaladas e em mosaicos dos 53 músicos do conjunto sinfônico, executando a canção de suas casas.

A sugestão para o vídeo veio do presidente da Câmara, vereador Gilmar Rotta (Cidadania). “Oficialmente, a Câmara realiza todos os anos uma reunião solene no aniversário de Piracicaba, mas que deixou de acontecer desde o ano passado, por causa da pandemia. Assim, a parceria com a OSP vem para que a data não fique em branco”, diz Gilmar.

O novo vídeo será utilizado pela Câmara no encerramento das reuniões solenes, assim que retomadas. O material respeita as normas de acessibilidade e conta com legendas e intérprete de Libras. “O Hino de Piracicaba já é exibido pela Câmara em seus eventos solenes, mas a última versão foi produzida em 2011”, completa Gilmar Rotta. Em 2020, Câmara e a OSP lançaram a releitura da música “Rio de Lágrimas”, também no aniversário da cidade, que alcançou 1 milhão de pessoas nas redes sociais.

Para o secretário municipal da Ação Cultural, Adolpho Queiroz, o “Hino de Piracicaba” pode ser considerado uma grande paixão dos piracicabanos. Ele lembra que, ao longo dos anos, a letra se popularizou e vários arranjos foram produzidos. “A primeira versão, de 1931, era no gênero da seresta e o arranjo foi feito para um coro de quatro vozes. Depois, caiu no gosto dos cantores sertanejos, por nomes como Craveiro e Cravinho, Mazinho Quevedo, Chitãozinho e Xororó e Tião Carreiro e Pardinho.”

Segundo o maestro piracicabano Jamil Maluf, o novo arranjo do Hino não esquece a tradicional viola caipira, de forte identidade com a cidade, e inova ao remeter ao samba, estilo pelo qual Aninha Barros também é conhecida. “Queremos envolver e contagiar o público com a nova versão. A proposta é apresentar uma Piracicaba dinâmica, aberta ao progresso e, ao mesmo tempo, dialogar com o estilo e voz de Aninha Barros, uma cantora popular, mulher negra e piracicabana adotiva, de voz marcante e forte carisma”, diz o diretor artístico e regente titular.

Natural de Cândido Mota (SP), Aninha Barros recebeu da Câmara o Título de “Cidadã Piracicabana”, em agosto de 2019. É formada em canto erudito pelo Conservatório de Tatuí, onde se capacitou ainda como professora de técnica vocal, atividade exercida desde 2002. Ela iniciou a carreira em 1996, como cantora em banda de baile. Foi vocalista da Themplus por 14 anos. Estudou violão de sete cordas e participou do Essência Feminina, grupo de chorinho formado apenas por mulheres. Em 2011, montou o grupo Samba d’Aninha, voltado aos clássicos do “samba raiz” e que lançou um CD em 2015. O segundo álbum de sua carreira, “Neguinha”, veio em 2019.

Os arranjos do “Hino de Piracicaba” têm a assinatura de Felipe Martim Coelho, trombonista da OSP, também responsável pela mixagem e masterização, e a produção é de Mayumi Micheletti. Da Câmara, os envolvidos são o chefe do Departamento de Comunicação Social, Rodrigo Alves, que assina roteiro e direção geral, Gustavo Annunciato, na edição final e captação de imagens externas, Miriã Daniela Grecco de Campos nas imagens e Guilherme Leite na produção fotográfica.

HISTÓRIA – Originalmente denominada “Piracicaba”, a composição foi criada por Newton de Almeida Mello em 1931 e se tornou o Hino Oficial de Piracicaba em 30 de dezembro de 1975, diante da promulgação da lei 2.207, pelo então prefeito Adilson Benedito Maluf. A lei está no acervo da Câmara Municipal e pode ser consultada no site oficial. O texto diz, no artigo terceiro, que a administração pública, os clubes de serviço e as instituições escolares e culturais, imprensa e rádio cooperarão na divulgação e popularização da música.

No livro “Dicionário de Piracicabanos”, de autoria de Samuel Pfromm Netto, há um relato publicado no Jornal de Piracicaba em 13 de setembro de 1981, em que o professor Leandro Guerrini conta que Newton Mello compôs a letra e a música simultaneamente, em poucos minutos, na fazenda Itapeva, em Rafard (SP), onde morava, e a cantarolou para velhos amigos no bar Giocondo, na praça José Bonifácio. Rapidamente, esses mesmos amigos divulgaram a canção, entre eles o célebre seresteiro Vitório Angelo Cobra, o Cobrinha.

- Publicidade -

Mais artigos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Publicidade

Veja também